Câmara antecipa 50% do décimo terceiro dos servidores » Política » Notícias » Infocultural

Câmara antecipa 50% do décimo terceiro dos servidores

Política - 09/06/2011

Os servidores da Câmara de Vereadores de Feira de Santana já poderão sacar 50% do décimo terceiro salário a partir desta sexta-feira (10). A medida foi anunciada pelo presidente da Casa da Cidadania, vereador Antônio Francisco Neto – Ribeiro (DEM). Geralmente este percentual é disponibilizado entre os dias 20 e 25 de junho. Segundo Ribeiro, só foi possível garantir essa antecipação por conta do equilíbrio nas contas do Poder Legislativo feirense.

   

Vereador critica Secretaria de Saúde do

Estado da Bahia por atendimento em hospitais

O vereador José Carneiro Rocha (PDT), em discurso proferido esta semana na sessão legislativa, disse que no período em que a Bahia foi governada pelo Democratas (DEM) os problemas do Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA) passavam despercebidos na Câmara Municipal de Feira de Santana. Na opinião do legislador, a falta de reivindicações por melhorias no funcionamento da unidade hospitalar, no passado, está refletindo negativamente na atualidade.

“Se tivéssemos uma voz nesta Casa defendendo o Clériston Andrade ou criticando como fazem hoje, já que ficaram 16 anos no poder, por certo o hospital seria realmente um ‘senhor hospital’. Sem dúvida a unidade hospitalar seria a ‘8ª maravilha do mundo’. Mas infelizmente se calaram, ninguém levantou a voz naquele período: César Borges, Paulo Souto não fizeram absolutamente nada pelo Clériston Andrade e nada mudou de lá pra cá, permanece tudo como dantes no quartel de Abrantes”, afirmou o edil.

Na sequência, o legislador comentou sobre as dificuldades que enfrentam as parturientes de Feira de Santana, porém ressalvou que não se pode atribuir exclusivamente ao HGCA o caso da gestante que deu a luz sentada no banco da emergência do hospital, na última terça-feira (7).

“Nós temos que atribuir a um sistema, infelizmente, que não corresponde e não atende as parturientes, não só de Feira, mas da região. Esta senhora saiu do município de Cachoeira que tem um ‘senhor hospital’. Apesar disso, lá não havia médico e, no entanto, eu não vi nenhuma crítica de ninguém com relação à Santa Casa de Misericórdia de São Felix e de Cachoeira. Saindo destas unidades de saúde, passou no Hospital da Mulher, mas não tinha vaga. Foi ainda aos hospitais Dom Pedro e Mater Dei e também não tinha vagas”, argumentou.

Indignado com a situação, o esposo da gestante  danificou a porta da recepção e  foi contido por policiais militares no HGCA. “Nós não podemos condenar a atitude dele de chutar o ‘pau da barraca’, porque talvez qualquer ser humano que tinha sentimento fizesse a mesma coisa naquele momento de dor e emoção”, observa José Carneiro.

O vereador disse que às vezes não consegue entender por que direcionam tudo exclusivamente ao HGCA. “A culpa não é apenas do Clériston, e sim da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia que não tem se preocupado com os problemas que temos enfrentado no dia-a-dia. Nós temos dois ‘elefantes brancos’. O Hospital Estadual da Criança não funciona nem 50%, poderia ter sido perfeitamente ampliado o número de leitos para maternidades. Por sua vez, o Hospital Municipal da Criança poderia ser utilizado como anexo do Hospital da Mulher, sobretudo para que essas senhoras não fiquem padecendo tanto, peregrinando uma vaga para dar luz aos seus filhos”.

 

Lulinha cobra cumprimento da lei do Toque de Acolher

O vereador Luiz Augusto de Jesus – Lulinha (DEM) reclamou o não cumprimento da lei municipal, de sua autoria, “Toque de Acolher”. A medida adotada em algumas cidades brasileiras – a exemplo de Santo Estevão - impõe limites de horários para a permanência de crianças e adolescentes nas ruas, visando diminuir a prática de atos infracionais.

“Nós fizemos uma lei nesta cidade para tentar conter o índice de violência com menores e adolescentes, mas ela está embargada, visto que algumas autoridades competentes de Feira de Santana não quererem colocá-la em prática”, criticou Lulinha.

O edil repercutiu matéria do jornal Folha de São Paulo publicada no dia 5 de junho, intitulada: “Cidades com Toque de Recolher reduzem violência entre jovens”.

Segundo o texto jornalístico, “as medidas que restringem a circulação de crianças e adolescentes desacompanhados - conhecidas como Toque de Recolher - ajudaram a reduzir os casos de violência e o número de atendimentos do conselho tutelar. Levantamento feito com juízes, delegados e conselheiros de 30 municípios que adotaram a medida mostrou que, em 29 deles,  surtiu efeitos positivos - a exceção foi Sapé (PB)”.

A matéria diz ainda que “em Santo Estevão (BA), onde foi implantada em 2009, as ocorrências envolvendo uso de drogas por menores de 18 anos caíram 71%. Antes da adoção da medida eram registrados cerca de 40 casos semanais de adolescentes envolvidos em brigas, furtos ou vandalismo. Depois, as ocorrências caíram pela metade”.

A Folha de São Paulo declara também que, “apesar dos efeitos positivos em relação à criminalidade, a medida sofre resistência de alguns educadores e promotores, que chegaram a contestá-la judicialmente”.

Após a leitura do texto, Lulinha indagou a falta de aplicabilidade do “Toque de Acolher” na cidade de Feira de Santana. “Por que não implantá-la em Feira de Santana? Por que nós não tentamos reduzir os índices de violência com jovens e crianças?”. De acordo com o vereador, atualmente o Toque de Acolher está em vigência em 60 municípios e 17 estados em todo Brasil. 

Ascom
© Todos os direitos reservados. 2014.
Email: infocultural@infocultural.com.br
Painel Administrativo