Os personagens kafkianos » Política » Notícias » Infocultural

Os personagens kafkianos

Política - 05/06/2018

Constantemente o povo de Feira de Santana vem sofrendo com “eventos” fora do comum promovidos pelos vereadores que parece não compreender seus papéis como representantes políticos do povo na Câmara de Vereadores. Em vez de fazer política em favor do povo os nobres fazem espetáculos extraordinários de coisas ridículas, que envergonham os feirenses diante do mundo.

Recentemente entre aqueles que se dizem representantes do povo, pois mesmo eleitos pelo próprio parece que representam apenas seus interesses particulares envergonhando publicamente nossa cidade, um nobre que compreende seu papel para pelo menos limpar a sujeira de absurdos, comparou o palco da Câmara de Vereadores como um circo e uma jaula. Nada mais metafórico!

Alguns feirenses ainda nutrem a esperança de que algum dia, talvez até mesmo em 2020 as coisas possam mudar quanto a escolha de melhores nomes para representar o povo, e ser de fato vereadores no sentido mais literal da palavra. Talvez com o fim das coligações possam surgir processos políticos capazes de definir um melhor quadro no município, porque a coisa parece sempre de mal a pior, porque alguns protagonistas de circo não educam o povo com suas atitudes, na realidade deseducam politicamente com a falta de esperança diante das imbecilidades.

Outros cidadãos que sabem como funciona uma câmara de vereadores e para que ela serve, compreendendo a política e como ela funciona, parece que já não têm mais interesse em participar do processo eleitoral, estão desistindo politicamente de Feira de Santana, até mesmo porque grande parcela da população “enfeitiçada” por imbecilidades e espetáculos kafkianos não sabe escolher entre o certo e o errado nas urnas.

Somente para lembrar de fatos recentes para refrescar a memória dos absurdos aqui vai alguns eventos do absurdo kafkiano: vereador quer criar município recebendo dinheiro do povo feirense; vereador vai à Câmara de cavalo; vereador cria dia do abraço e acha que criou algo extraordinário que mudará a vida do povo; vereadora confunde política com imposição política; vereador quer isentar pastores de dívidas públicas e quer criar mecanismos para decidir coisas internas de empresa privadas; vereador acha que colegas estão possuídos pelo capeta: vereadores criam grupos “independentes” para roubar a cena; vereadores deixaram de trabalhar e já estão em campanha pela reeleição...

Absurdos, e mais absurdos, acontecem! Ainda bem que ainda tem uma meia dúzia na Casa da Cidadania que respeitam o povo feirense, para ser pelo menos um contraponto e uma esperança de que as coisas possam melhorar na próxima legislatura, porque a grande maioria de vereadores parecem personagens de Kafka. Tomara que o adágio popular seja verdade de que a esperança é a última que morre!

Fonte: genaldo40.blogspot.com

Genaldo de Melo
© Todos os direitos reservados. 2014.
Email: infocultural@infocultural.com.br
Painel Administrativo