Ritmo de expansão da frota feirense caiu em 2016 » André Pomponet - André Pomponet » Infocultural
André Pomponet

Ritmo de expansão da frota feirense caiu em 2016

24/11/2017

Apesar da recessão que se abateu sobre a economia brasileira a partir do último trimestre de 2014, há exatamente três anos, a frota feirense experimentou uma expansão de 3,7% em 2016, na comparação com 2015. Os números são do Departamento Nacional de Trânsito, o Denatran e estão disponíveis no site do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE. Apesar da variação positiva, num contexto de crise econômica, o ritmo vem em declínio desde o início da década, quando foram ampliados os incentivos ao setor automotivo.

Em 2015 – quando a crise se aprofundou – a expansão foi de 6,1% em relação a 2014; naquele ano, comparando com 2013, a taxa tinha sido mais robusta: 7,5%; em 2013, na comparação com o ano anterior, o salto foi de 8,6%; e, no melhor desempenho da série – 2012 em relação a 2011 – o salto foi de impressionantes 10,1%. Foi justamente nesse ano que o governo reduziu impostos, alavancando a aquisição de veículos pela população.

Em 2016 a frota feirense totalizava 252,6 mil veículos. Desse total, se sobressaem os automóveis (112,9 mil) e as motocicletas (72,8 mil). Bem mais distantes estão as motonetas, com 18,8 mil unidades em circulação pelo município.

A frota de caminhões vem crescendo de forma lenta, o que provavelmente reflete os duros anos de aguda crise econômica. Ano passado, eram 8.987; três anos antes, em 2013, alcançavam 8.476 unidades. Um acréscimo modesto, portanto, de pouco mais de quinhentos caminhões. Como se trata de um veículo usado na atividade econômica, as aquisições refletiram mais intensamente a crise dos últimos anos.

Engarrafamentos

Embora a frota venha crescendo, os engarrafamentos se tornaram menos constantes na Feira de Santana e também em outras cidades. É que, com a crise, muita gente passou a utilizar o automóvel com menos frequência, sobretudo em função da elevação dos preços dos combustíveis. Outros, com a renda em declínio, também optaram por deixar mais o carro na garagem, também para evitar elevação de custos.

O cenário tende a se manter no médio prazo. Afinal, o nível de emprego e de rendimento vai demorar anos para alcançar os patamares que antecederam a crise. Os preços dos combustíveis, por sua vez, permanecerão inibindo a utilização de veículos para aquilo que não seja essencial. É essa realidade que vem reduzindo o volume de automóveis em circulação.

Um freio adicional é a retração na própria aquisição de veículos. As isenções irresponsáveis produziram rombos bilionários nas contas públicas, que permanecem escangalhadas; não há margem, portanto, para nova fornada de incentivos. Aparentemente, expansões de frota produzidas por incentivos do gênero estão descartadas pelos próximos anos.

O fato é que a frota feirense se expandiu, embora a um ritmo inferior à dos anos de prosperidade irracional. Não deixa de ser uma notícia positiva – pior seria ocorrer uma queda – embora as expectativas se voltem, agora, para a prometida retomada, cujos primeiros reflexos, em tese, devem ser sentidos neste 2017.

André Pomponet